Como alavancar processos de gestão e tornar sua empresa mais competitiva?

A boa saúde financeira de uma empresa é condição essencial à perenidade das operações. De acordo com o Sebrae (2015), um dos principais motivos que levam ao fechamento prematuro de negócios é a falta de organização econômica, incidindo em erros graves na gestão de recursos monetários.

Cortar custos, porém, é um procedimento delicado e que exige atenta avaliação, de modo a garantir resultados positivos e consistentes. Não basta somente eliminar despesas: é preciso estar convicto de que não haverá impactos nocivos às operações cotidianas e de que as alternativas selecionadas são, de fato, as mais adequadas.

Alguns dos custos, porém, podem representar um desperdício significativo e devem ser otimizados, minimizando eventuais prejuízos. De movimentos simples a aplicações mais densas, algumas das despesas passíveis de reavaliação e cortes imediatos são:

1. Cópias e impressões desnecessárias
Muitas vezes considerado irrelevante, os gastos com cópias e impressões não raro agregam uma quantia considerável aos custos finais. Para reduzi-los, aplicar uma política de digitalização e automatização, unificando o armazenamento das informações e disponibilizando-as a usuários-chave virtualmente desponta como uma ótima alternativa.

2. Estoque mal planejado
Embora bastante prejudicial, é muito comum encontrar nos estoques empresariais alguns produtos de baixa rotatividade armazenados em larga escala. O capital aplicado em itens que não têm giro acarreta o desperdício de dinheiro – afinal, além de não gerar renda, ainda implicam em custos de armazenamento e incorrem em prejuízos com depreciação (principalmente no que diz respeito ao desgaste físico do produto, podendo comprometer seriamente sua qualidade e, por consequência, seu escoamento). 
 
3. Regime de tributação equivocado
O custo com impostos e tributos, no Brasil, é naturalmente elevado. Muitas empresas, porém, têm ainda mais gastos porque, ao planejar suas operações, optaram por um regime tributário inadequado. É preciso estar atento às opções de regime disponíveis (Lucro Real, Lucro Presumido ou Simples Nacional), pois cada tipo conta com alíquotas e deduções próprias que podem diferenciar muito de uma empresa para a outra. 

Frente aos constantes desafios administrativos, é importante definir metas de redução de custos e otimização de processos internos, tornando as operações mais simples e assertivas. O sistema ERP da VEC Sistemas (SGVEC), por exemplo, desponta como uma ferramenta altamente eficaz na gestão consciente dos recursos, eliminando custos desnecessários. Para citar apenas os problemas apontados, é possível: concentrar virtualmente as informações; controlar estoques, otimizar itens e ressupri-los automaticamente em caso de necessidade; e avaliar criteriosamente os dados financeiros, esclarecendo qual o regime tributário mais adequado.

O SGVEC automatiza processos, elimina retrabalho e minimiza as chances de erro nas atividades cotidianas, reduzindo, também, o desperdício de tempo. Ao integrar departamentos e fornecer indicativos de desempenho, o sistema garante transparência e segurança na tomada estratégica de decisões. 

Para saber mais sobre o Sistema de Gestão Empresarial (SGVEC), entre em contato com um de nossos consultores.

By Areco

Conte-nos sobre Seu Projeto